Câncer Infanto Juvenil: Conheça os Sintomas e Tratamentos

O câncer é uma doença que afeta pessoas de todas as idades, mas quando se trata de crianças e adolescentes, a situação pode ser ainda mais delicada. O câncer infanto juvenil é uma realidade que precisa ser discutida e compreendida, para que possamos identificar os sintomas e buscar tratamentos eficazes.

Neste artigo, vamos abordar os principais aspectos do câncer infanto juvenil, desde a sua definição até os tratamentos disponíveis atualmente. Se você é um pai ou mãe preocupado com a saúde do seu filho, ou simplesmente quer aprender mais sobre essa doença, continue lendo.

O que é câncer infanto juvenil?

O câncer infanto juvenil é definido como qualquer tipo de câncer que afeta crianças e adolescentes com menos de 18 anos. É uma doença rara, que representa apenas 1% de todos os casos de câncer diagnosticados anualmente no mundo.

No entanto, apesar da sua baixa incidência, o câncer infanto juvenil é a principal causa de morte por doença entre crianças e adolescentes em muitos países, incluindo o Brasil.

Quais são os tipos de câncer infanto juvenil?

Existem vários tipos de câncer que podem afetar crianças e adolescentes, sendo os mais comuns:

– Leucemia: um câncer que afeta as células do sangue e da medula óssea, responsáveis pela produção de células sanguíneas.

– Linfoma: um câncer que se desenvolve no sistema linfático, responsável pela defesa do organismo contra infecções.

– Tumores cerebrais: cânceres que afetam o cérebro e o sistema nervoso central.

– Neuroblastoma: um câncer que se desenvolve nas células nervosas do sistema nervoso simpático, que controla as funções automáticas do organismo, como a respiração e a digestão.

– Sarcomas: cânceres que afetam os tecidos moles do corpo, como os músculos, os ossos e os tecidos conjuntivos.

Quais são os sintomas do câncer infanto juvenil?

Os sintomas do câncer infanto juvenil podem variar de acordo com o tipo de câncer e a sua localização no corpo, mas os mais comuns incluem:

– Dores ósseas e articulares
– Febre prolongada e sem causa aparente
– Perda de peso inexplicável
– Fadiga constante
– Sangramentos frequentes, como hematomas e sangramentos nasais
– Inchaço abdominal
– Alterações na visão ou audição
– Mudanças no comportamento e na personalidade
– Dores de cabeça frequentes e persistentes

É importante lembrar que esses sintomas podem ter diversas outras causas, por isso é fundamental consultar um médico para obter um diagnóstico preciso.

Como é feito o diagnóstico do câncer infanto juvenil?

O diagnóstico do câncer infanto juvenil começa com uma avaliação médica detalhada, que inclui exames físicos e laboratoriais. Além disso, são realizados exames de imagem, como radiografias, tomografias e ressonâncias magnéticas, para identificar a presença de tumores ou outras alterações no corpo.

Em alguns casos, é necessário realizar uma biópsia, que consiste na retirada de uma pequena amostra do tecido afetado para análise em laboratório. A biópsia é importante para determinar o tipo e o estágio do câncer, o que ajuda a definir o melhor tratamento.

Quais são os tratamentos disponíveis para o câncer infanto juvenil?

O tratamento do câncer infanto juvenil depende do tipo e do estágio do câncer, bem como da idade da criança ou do adolescente. Os principais tratamentos incluem:

– Cirurgia: em alguns casos, é necessário remover o tumor cirurgicamente.

– Quimioterapia: um tratamento que utiliza medicamentos para destruir as células cancerosas. A quimioterapia pode ser administrada por via oral ou intravenosa.

– Radioterapia: um tratamento que utiliza radiação para destruir as células cancerosas. A radioterapia pode ser externa, quando a radiação é aplicada por meio de uma máquina externa ao corpo, ou interna, quando a fonte de radiação é colocada dentro do corpo.

– Transplante de medula óssea: um tratamento que consiste na substituição da medula óssea doente por uma medula saudável, geralmente de um doador compatível.

É importante lembrar que o tratamento do câncer infanto juvenil pode ser longo e desafiador, tanto para a criança ou adolescente quanto para a sua família. Por isso, é fundamental contar com o apoio de profissionais de saúde especializados em oncologia pediátrica, além de ter uma rede de apoio emocional e psicológico.

Como prevenir o câncer infanto juvenil?

Não existe uma forma garantida de prevenir o câncer infanto juvenil, mas alguns cuidados podem ajudar a reduzir o risco de desenvolver a doença, como:

– Vacinar-se contra o HPV e a hepatite B, que são fatores de risco para alguns tipos de câncer.

– Manter uma dieta saudável e equilibrada, rica em frutas, verduras e legumes.

– Evitar a exposição ao tabaco e a substâncias químicas nocivas.

– Realizar exames médicos regulares para detecção precoce de qualquer alteração no corpo.

Conclusão

O câncer infanto juvenil é uma realidade que precisa ser discutida e compreendida, para que possamos identificar os sintomas e buscar tratamentos eficazes. Se você é um pai ou mãe preocupado com a saúde do seu filho, ou simplesmente quer aprender mais sobre essa doença, este artigo foi útil para você.

Lembre-se sempre da importância de consultar um médico em caso de qualquer sintoma, e de contar com o apoio de profissionais de saúde especializados em oncologia pediátrica. Com o tratamento adequado e o suporte emocional necessário, muitas crianças e adolescentes conseguem superar o câncer infanto juvenil e ter uma vida saudável e plena.

Tags: No tags

Comments are closed.